Internet em código femenino. Teorías e práticas

10 Diciembre 2013

By

“Internet en código femenino. Teorías y prácticas” é o nome do livro do Gig@, apresentado no dia 22 de Agosto de 2013 em Buenos Aires. A coletânea – que conta com a participação de pesquisadorxs do Brasil, Argentina e Espanha – foi publicado por Editora La Crujía em papel e e-pub sob licença Creative Commons. Na mesa de debate do lançamento, participaram Graciela Natansohn, organizadora do livro, Dafne Sabanes Plou (APC-Women) e Lila Pagola (Wikimedia Argentina).

Lila Pagola concedeu entrevista ao coletivo Red Nosotras en el mundo que pode ser acessada em: http://www.rednosotrasenelmundo.org/article/programa-las-nosotras-cordob…

Para mais informações sobre o livro, acesse: http://www.lacrujiaediciones.com.ar/index.php/futuribles/54-nuevas-tecno…

A Internet e o ambiente digital colocam novos temas para a agenda feminista e para a comunicação: as brechas de acesso das mulheres e outros coletivos à rede e à cultura digital, os discursos misóginos da web, a violência de gênero – ciberassédio, sexting, a exposição da intimidade, o controle através de dispositivos tecnológicos. Tecnologia não é coisa de homem. O feminismo usa a rede para organizar-se, comunicar-se, empoderar-se. Como afirma a filosofa feminista Diana Maffía,“A brecha entre mulheres e tecnologia, vai nos dizer este livro, não é só um problema das mulheres. Devemos pensar desde o feminismo, desde uma posição política que procura a equidade entre homens e mulheres, a partir de uma nova visão que aspire à igualdade real, nomeando e considerando a diversidade sem renunciar à universalidade na disponibilidade dos recursos. Ademais, dentro do movimento de mulheres é preciso trabalhar sobre as barreiras subjetivas, as “fobias” a essa tecnologia que se percebe como hostil sem considerar seu potencial emancipador”.

Faça o download do E-book “Internet em Código Feminino: teorias e práticas” em anexo.

Referência:

NATANSOHN, L. Graciela (Org.). Internet em código feminino. Teorias e práticas. E-book. Ed. em português revista e ampliada.. 1. ed. Buenos Aires: La Crujía, 2013. v. 1. 192p .

ISBN 978-987-601-207-2
Sumário:

Prólogo
Diana Maffía

Introdução. Que têm a ver as tecnologías digitais com o gênero?
Graciela Natansohn

Os gêneros da rede: os ciberfeminismos
Ana de Miguel e Montserrat Boix

Eu programo, tu programas, elx hackea: mulheres hackers e perspectivas tecnopolíticas
Alex Haché, Eva Cruells e Nuria Vergés Bosch

Apuntes do grupo de gênero e tecnologia no Medialab-Prado
Grupo “Género y Tecnología” del Medialab-Prado, Madrid.

De mulheres e enciclopédias. Formas de construir realidades e representações
Lila Pagola

Novos cenários, velhas práticas de dominação: a violência contra as mulheres na era digital
Dafne Sabanes Plou

Mulheres desenvolvedoras de tecnologias – o desafio das histórias invisíveis que moram entre zeros e uns
Graciela Baroni Selaimen

A divisão digital de gênero no movimento software livre do Brasil
Mônica de Sá Dantas Paz

Cultura digital e práticas femininas. LabDebug, relato de uma experiência
Karla Schuch Brunet e Graciela Natansohn

Inclusão digital entre estudantes universitários. Um estudo de caso do curso de Comunicação Social da Universidade Federal da Bahia, Brasil
João Eduardo Silva de Araújo, Rodrigo S. Bulhões, Laryne Santana e Pedro Dell’Orto.
Versão em espanhol: Internet en código femenino. Teorías y prácticas

Leia sobre o lançamento da versão impressa em espanhol do livro do GIG@/UFBA e acesse á sua página no site da Editora La Crujía.

AdjuntoTamaño
Internet em código feminino: teorias e práticas839.66 KB
Share this
 

Enviar un comentario nuevo

Submit
CAPTCHA
Esta pregunta se hace para comprobar que es usted una persona real e impedir el envío automatizado de mensajes basura.
By submitting this form, you accept the Mollom privacy policy.